Histórico

Ventavis® é uma terapia com iloprosta via inalatória, com eficácia e tolerabilidade comprovadas em pacientes com HP, demonstrada por mais de 10 anos de experiência clínica.1,2 Iloprosta é uma prostaciclina e um potente vasodilatador, e sua administração via inalatória garante uma ação medicamentosa localizada.1-3 Após o desenvolvimento de nebulizadores efi cientes que garantem a entrega constante da substância ativa, a iloprosta via inalatória tornou-se uma importante opção terapêutica para a HAP.1

A administração via inalatória oferece vantagens sobre os prostanoides IV e SC, em relação à conveniência, maior segurança e tolerabilidade.3,4 Ao administrar o medicamento diretamente nos capilares alveolares, a administração via inalatória também pode limitar o risco de efeitos colaterais sistêmicos inerentes a terapias orais que têm como alvo a via da prostaciclina.4,5 Adicionalmente, barreiras à efi cácia terapêutica observadas com outras vias de administração, como má absorção gastrointestinal e metabolismo de primeira passagem no fígado, podem ser evitadas.6

Iloprosta é um análogo sintético da prostaciclina quimicamente estável; seu nome químico é [E]-[3aS, 4R, 5R, 6aS]-hexa-hidro-5-hidroxi-4-[E]-[3S, 4RS]-3-hidroxi-4-metil-1-octeno6-inilo]-Δ2 [1H], ácido Δ-pentalenevalérico.7 Tem alta afinidade de ligação aos receptores IP endógenos nas células musculares lisas, aumentando a síntese de AMPc e causando vasodilatação pulmonar seletiva após a inalação.7,8

Iloprosta difere estruturalmente da prostaciclina endógena em três formas principais. A molécula de iloprosta carrega um grupo metila em C16, enquanto os átomos de carbono C18 e C19 são ligados por uma ligação tripla, modifi cações que aumentam a estabilidade química do análogo.1 Finalmente, há substituição do oxigênio enol na estrutura do anel superior da prostaciclina por um grupo eteno, dando à iloprosta uma meia-vida mais longa do que a prostaciclina.1 Iloprosta é estável à temperatura ambiente e à luz ambiente em pH 7,4.3

Diferenças na estrutura química de Iloprosta via inalatória e da prostaciclina

  • Ewert R, Schaper C, Halank M et al. Inhalative iloprost - pharmacology and clinical application. Expert Opin Pharmacother 2009; 10(13): 2195-207.
  • Olschewski H, Walmrath D, Schermuly R et al. Aerosolized prostacyclin and iloprost in severe pulmonary hypertension. Ann Intern Med 1996; 124(9): 820-4.
  • Krug S, Sablotzki A, Hammerschmidt S et al. Inhaled iloprost for the control of pulmonary hypertension. Vasc Health Risk Manag 2009; 5(1): 465-74.
  • Mubarak KK. A review of prostaglandin analogs in the management of patients with pulmonary arterial hypertension. Respir Med 2010; 104(1): 9-21.
  • Mitchell JA, Ahmetaj-Shala B, Kirkby NS et al. Role of prostacyclin in pulmonary hypertension. Glob Cardiol Sci Pract 2014; 2014(4): 382-93.
  • Labiris NR, Dolovich MB. Pulmonary drug delivery. Part I: physiological factors affecting therapeutic effectiveness of aerosolized medications. Br J Clin Pharmacol 2003; 56(6): 588-99.
  • John J, Palevsky H. Clinical pharmacology and effi cacy of inhaled iloprost for the treatment of pulmonary arterial hypertension. Expert Rev Clin Pharmacol 2011; 4(2): 197-205.
  • Whittle BJ, Silverstein AM, Mottola DM et al. Binding and activity of the prostacyclin receptor (IP) agonists, treprostinil and iloprost, at human prostanoid receptors: treprostinil is a potent DP1 and EP2 agonist. Biochem Pharmacol 2012; 84(1): 68-75.

Próxima:Formulação e entrega