Farmacocinética

Absorção1

Quando a iloprosta 10 μg/ml é administrada via inalatória a pacientes com HP (dose de 5 μg no aplicador bucal), observam-se níveis séricos máximos de 100 a 200 μg/ml no final da inalação. Estes níveis diminuem com meias-vidas de aproximadamente 5 e 25 minutos. Dentro de 30 minutos a 2 horas de inalação, a iloprosta não é detectável no compartimento central (limite de quantificação de 25 μg/ml).

Em um estudo com homens adultos saudáveis, a iloprosta 20 μg/ml, na mesma dosagem de 5 μg, resultou em exposições sistémicas comparáveis aos níveis séricos máximos, aproximadamente 30% superiores aos da iloprosta 10 μg/ml, como observado no tempo mais curto de inalação da concentração mais alta da formulação.

Distribuição1

Não foram realizados estudos de distribuição após a inalação da iloprosta. Após perfusão IV, o volume de distribuição aparente no estado estacionário foi de 0,6 a 0,8 l/kg em pessoas saudáveis. A ligação total de iloprosta às proteínas plasmáticas é independente da concentração dentro da variação de 30 a 3.000 μg/ml e totaliza aproximadamente 60%, dos quais, 75% são devido à ligação à albumina.

Metabolização1,2

Dados in vitro sugerem que a metabolização de iloprosta nos pulmões é semelhante após administração via intravenosa ou inalação. Iloprosta intravenosa é extensamente metabolizada via β-oxidação da cadeia lateral carboxila em uma mistura de derivados de dinor e tetranoriloprosta, sem eliminação de substância inalterada. O principal metabolito, tetranor-iloprosta, é farmacologicamente inativo.

Metabolização de iloprosta

Estudos in vitro revelaram que a metabolização dependente do citocromo P450 desempenha apenas papel menor na biotransformação de iloprosta.

Eliminação1

Os dados que após a eliminação de iloprosta são derivados de estudos de iloprosta IV. Em pacientes com função renal e hepática normal, a depuração total de iloprosta é de cerca de 20 ml/kg/min, superior ao fluxo total no plasma através do fígado, indicando uma contribuição extra-hepática para a metabolização de iloprosta.

Um estudo de balanço de massa foi realizado com 3H-iloprosta em pacientes saudáveis. Após a infusão IV, a recuperação da radioatividade total foi de 81%, e as respectivas recuperações na urina e nas fezes foram de 68% e de 12%. A eliminação de metabolitos do plasma e da urina ocorre em duas fases, para as quais foram calculadas meias-vidas de aproximadamente 2 e 5 horas, e 2 e 18 horas, para plasma e urina, respectivamente.

Próxima:Farmacocinética em populações especiais