HPTEC persistente/recorrente após cirurgia de TEAP

Cerca de um terço dos pacientes pode evoluir com hipertensão pulmonar persistente (HP), apesar da cirurgia de endarterectomia pulmonar ter sido aparentemente bem sucedida (TEAP).3

A PH persistente pode ser causada pela coexistência da arteriopatia de pequenos vasos em pacientes com doença proximal operável, fato que é difícil de determinar antes da cirurgia. Também pode resultar da falha na remoção cirúrgica da doença tromboembólica crônica mais distal.3

A HP recorrente é menos comum e é causada por um novo episódio tromboembólico após uma ressecção bem sucedida da TEAP, ou seja, na qual houve confirmação de redução confirmada da HP no pós-TEAP.

A HPTEC persistente/recorrente após TEAP afeta o estado clínico pós-operatório e a sobrevida?

Segundo os dados que foram prospectivamente coletados de todos os pacientes submetidos à tromboendarterectomia pulmonar (TEAP), em uma série nacional contínua de 1997-2007.
Neste estudo, três meses após a cirurgia, os pacientes passaram por uma reinvestigação programada, incluindo testes funcionais e cateterismo cardíaco direito. O Grupo 1 apresentava pressão arterial pulmonar média (PAPm) < 30 mmHg; o Grupo 2 apresentava PAPm ≥ 30 mmHg.1

  • 314 pacientes sobreviveram à alta hospitalar e concluíram o acompanhamento de 3 meses
  • 31% dos pacientes apresentaram HP residual
  • Em 12 meses, 94,2% dos pacientes do Grupo 1 enquadravam-se na classe funcional I ou II da Organização Mundial da Saúde (CF OMS) em comparação a 74% dos pacientes do Grupo 2
  • Os pacientes no Grupo 1 apresentavam uma melhora significativa na capacidade de se exercitar e nos sintomas em comparação aos pacientes do Grupo 2
  • A sobrevida condicional após a alta hospitalar da coorte total foi de 90,0% em 5 anos e não houve diferença entre os grupos
Para os pacientes submetidos à TEAP, a sobrevida após a alta hospitalar é excelente. A HP residual comprometeu significativamente o estado dos sintomas e a capacidade funcional, mas não pareceu afetar de maneira adversa a sobrevida no médio prazo.1

As diretrizes atuais recomendam terapia médica em pacientes com HPTEC persistente/recorrente após TEAP.2

Existe atualmente uma terapia médica aprovada para esses pacientes.

Você também pode estar interessado em:

  • Avaliação do potencial cirúrgico e tratamento

  • Freed DH et al. J Thorac Cardiovasc Surg 2011;141:383–87.
  • Konstantinides SV et al. Eur Heart J 2014;35:3033–73.
  • Jenkins D et al. Eur Respir Rev 2017;26:160111.

Próxima:Tratamento medicamentoso