O impacto da hipertensão pulmonar

A hipertensão pulmonar pode impor uma carga considerável ao paciente, afetando todos os aspectos da vida diária.1,2

Em comparação com a população em geral, os pacientes com HP têm a qualidade de vida substancialmente reduzida, pois administram não apenas a carga física da doença, mas também um prognóstico pouco claro, incerteza financeira e impacto nas relações sociais.3

Pacientes com hipertensão pulmonar podem experimentar limitações profundas em sua vida cotidiana
Pacientes com hipertensão pulmonar podem experimentar limitações profundas em sua vida cotidiana

As medidas de qualidade de vida têm se mostrado correlacionadas com resultados clínicos tipicamente mensurados na HP, como capacidade de exercício, hemodinâmica, classe funcional da OMS, piora clínica e sobrevida.3

Embora o prognóstico seja variável dependendo da etiologia, a HP é uma doença grave, com evolução progressiva e inexorável.4 A maioria dos pacientes não morre devido à pressão arterial pulmonar elevada, mas pela insuficiência cardíaca iniciada pela disfunção ventricular direita.5

Alguns fatores prognósticos fundamentais na hipertensão arterial pulmonar
Alguns fatores prognósticos fundamentais na hipertensão arterial pulmonar

Adapto de Galiè 20151
dTC6M: Distância caminhada no teste de caminhada de 6 minutos; IC: índice cardíaco; PAD: pressão atrial direita; SvO2: saturação venosa mista de oxigênio; OMS: Organização Mundial da Saúde.

Os dados de registro dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA sugerem que, na ausência de terapia eficaz, a HAP pode causar a morte em 2 a 3 anos, com sobrevida esperada em 1 ano de 71,8%; isto contrasta com o valor de 89,3% relatado pelo registro nacional francês com dados coletados na era das terapias avançadas.7

  • Delcroix M, Howard L. Pulmonary arterial hypertension: the burden of disease and impact on quality of life. Eur Respir Rev 2015; 24(138): 621-9.
  • Guillevin L, Armstrong I, Aldrighetti R et al. Understanding the impact of pulmonary arterial hypertension on patients’ and carers’ lives. Eur Respir Rev 2013; 22(130): 535-42.
  • Mathai SC, Ghofrani HA, Mayer E et al. Quality of life in patients with chronic thromboembolic pulmonary hypertension. Eur Respir J 2016; 48(2): 526-37.
  • Corciova FC, Arsenescu-Georgescu C. Prognostic factors in pulmonary hypertension. Maedica (Buchar) 2012; 7(1): 30-7.
  • van de Veerdonk MC, Bogaard HJ, Voelkel NF. The right ventricle and pulmonary hypertension. Heart Fail Rev 2016; 21(3): 259-71.
  • Galiè N, Humbert M, Vachiery J-L et al. Guidelines for the diagnosis and treatment of pulmonary hypertension. Eur Respir J 2015; 46(4): 903-75.
  • Awdish R, Cajigas H. Defi nition, epidemiology and registries of pulmonary hypertension. Heart Fail Rev 2016; 21(3): 223-28.

Próxima:Prostaciclina: uma via importante para a hipertensão pulmonar